Oasis e o single “Don’t Look Back In Anger”

Depois do lançamento de (What’s The Story) Morning Glory?, segundo álbum do grupo, o Oasis continuava desfrutando de um sucesso absoluto na Inglaterra. E voltaria a ocupar o topo das paradas musicais com o single “Don’t Look Back In Anger”. Que também apresentou o lado cantor do guitarrista Noel Gallagher.

Tudo começou em uma passagem de som na turnê com o The Verve, quando, por acaso, o vocalista, Liam Gallagher, ouviu o irmão mais velho cantarolando. O próprio Noel explica:

Eu tinha os acordes iniciais da canção e comecei a escrevê-la. Nós iríamos tocar dois dias depois, nosso primeiro grande show de arena, (o lugar) agora se chama Sheffield Arena. Durante a passagem de som eu estava longe, tocando violão, quando Liam perguntou “O que é que você está cantando?”. Eu não estava cantando nada, estava inventando. “Você está cantando ‘So Sally can wait'”, disse Liam, e eu fiquei tipo “Gênio!”. Lembro de voltar para o backstage e escrever tudo. Depois disso tudo veio muito rapidamente, O título (Don’t Look Back In Anger) apenas saiu. Nós escrevemos as frases no camarim e a tocamos naquela noite. Na frente de dezoito mil pessoas, com guitarra acústica. Como um idiota. Nunca faria isso agora.
Quando estávamos indo gravar Wonderwall e Don’t Look Back In Anger, inicialmente eu ia cantar Wonderwall e Liam disse “Eu quero cantar essa!”. Eu disse “Vou cantar uma das duas, você fez a sua escolha”. Aí ele ficou com Wonderwall e eu com a outra.

Liam e Noel Gallagher

Em 1995 o baterista, Tony McCarroll, um dos fundadores do Oasis, foi convidado a se retirar do grupo. Um dos motivos que levaram Noel a perceber que McCarroll não era um bom músico foi justamente “Don’t Look Back In Anger”.

“Don’t Look Back In Anger” foi escrita quarenta anos depois de uma produção teatral chamada “Look Back In Anger”, de John Osborne. O personagem principal se chamava Jimmy Porter e capturava toda a natureza furiosa e a rebeldia daquela geração.

E a tal Sally? Noel garante que não conhece nenhuma garota com esse nome. É apenas uma palavra que se encaixa na música. Segundo o compositor, a faixa seria um cruzamento entre “All the Young Dudes” (Mott The Hoople) e alguma coisa que os Beatles poderiam ter feito.

Já a introdução de “Don’t Look Back In Anger” remete a duas músicas: “Imagine” e “Watching the Wheels”, ambas de John Lennon. Sobre isso, Noel certa vez disse que “cinquenta por cento do que foi colocado ali é para enrolar as pessoas. Os outros cinquenta estão dizendo ‘olha, é assim que músicas como essa acontecem, porque ela são inspiradas em músicas como ‘Imagine’. E não importa o que as pessoas possam pensar, sempre vai ter um garoto de 13 anos que vai ler uma entrevista e o que eu acho de ‘Imagine’. Se ele nunca ouviu a canção, ele pode comprar o disco”.

Finalmente, o videoclipe oficial de “Don’t Look Back In Anger”, do Oasis.

Oasis, “All Around The World” e a história do single mais extenso a ocupar o topo da parada britânica

Image and video hosting by TinyPic

No dia 12 de janeiro de 1998, “All Around The World” foi lançada como single, rapidamente se tornando a canção mais extensa a ocupar o primeiro lugar da parada de sucessos do Reino Unido (no auge de seus 9:38, superando “Stairway to Heaven”, do Led Zeppelin e “Bohemian Rhapsody”, do Queen) – permanecendo no topo entre os dias 18 e 24 do mesmo mês.

A faixa foi uma das primeiras composições de Noel Gallagher para o Oasis, escrita mais ou menos em 1992. Na época, Noel vislumbrava grande potencial nos arranjos (segundo o guitarrista, “All Around The Word” era uma de suas melhores músicas até o momento) e resolveu esperar até que a gravadora (Creation Records) ou a própria banda tivessem os recur$os necessários para a gravação ideal.

Em agosto de 1997, “All Around The World” via a luz do dia através do álbum Be Here Now, com 9:20 de duração (um pouco menor do que a versão do single).

Muita extravagância, orquestra de 36 peças e vários na-na-na-na que lembravam “Hey Jude”. Mas não foi por acaso.

The lyrics are teeny-poppy. But there are three key changes towards the end. Imagine how much better Hey Jude would have been with three key changes towards the end. I like the ambition of it, all that time ago. What was all that about when we didn’t even have our first single out? Gin and tonics, eh?
– Noel Gallagher

Image and video hosting by TinyPic

Outras notáveis participações especiais na gravação foram de Meg Matthews e Patsy Kensit (na época esposas de Noel e Liam, respectivamente) nos backing vocals e do gaitista Mark Feltham (por alguma razão, as contribuições de Meg e Pasty ficaram de fora da versão do álbum).

Já o videoclipe, claro, segue a lógica Beatlemaníaca dos irmãos Gallagher, prestando homenagem ao religioso Submarino Amarelo.

Junto com o single, três cultuados B-sides da banda: “The Fame”, “Flashbax” e “Street Fighting Man” (essa última, uma versão de Rolling Stones, a melhor banda de rock do mundo). Foi a última vez que o Oasis soltou três canções como lado b.

Image and video hosting by TinyPic

Uma rápida história sobre o single “Live Forever”, clássico do Oasis

Image and video hosting by TinyPic

Iniciada por Noel Gallagher ainda nos tempos de Inspiral Carpets (grupo que contava com o futuro guitarrista do Oasis como roadie), “Live Forever” teria sido a composição decisiva para que Liam permitisse a entrada do irmão mais velho em sua banda, além de render um contrato com a Creation Records.

Image and video hosting by TinyPic

Noel escreveu “Live Forever” em seu apartamento, na cidade de Manchester, após ouvir o refrão de “Shine A Light”, faixa da melhor banda de rock do mundo, os Rolling Stones, lançada em 1972 no álbum Exile On Main Street.

Parte da letra de “Live Forever” também faz referência à profissão de Peggy Gallagher (mãe de Noel) que, na época trabalhava, como jardineira.

Image and video hosting by TinyPic

Gravado nos estúdios Clear, em Manchester, “Live Forever” foi o primeiro single do Oasis a figurar parada musical do Reino Unido. Apesar disso, a música nunca deslanchou nos Estados Unidos. Na capa do disquinho, uma fotografia da casa em que John Lennon viveu durante sua infância em Liverpool.

Já o lançamento oficial da canção aconteceu em 8 de agosto de 1994 (um mês antes do álbum Definitely Maybe ver a luz do dia), mas a consagração de “Live Forever” ao longo dos anos só aumentou, fazendo com que a faixa fosse mencionada como a melhor de todos os tempos em várias listas especializadas (alguns exemplos aqui, aqui e aqui).

Image and video hosting by TinyPic

“Live Forever” permaneceu no setlist dos shows feitos pelo Oasis até o fim do grupo, em 2009, o que só comprova a importância da música para a banda. E para os fãs, claro.

A primeira vez do Oasis em São Paulo

Image and video hosting by TinyPic

Vinte e um de março de 1998. O Oasis se apresenta no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, um dia depois da estreia dos irmãos Gallagher no Rio de Janeiro. Foi a primeira vez da banda no Brasil, com a turnê de divulgação do álbum Be Here Now, lançado em agosto do ano anterior.

Abaixo, o áudio completo do show.

Setlist
00:00 Be Here Now
05:45 Stand By Me
11:43 Supersonic
17:13 Roll With It
21:54 D’You Know What I Mean?
28:54 Cigarettes & Alcohol
35:43 Don’t Go Away
41:22 Setting Sun / Fade In-Out
53:05 Don’t Look Back in Anger
58:01 Wonderwall
1:02:25 Live Forever
1:07:18 It’s Gettin’ Better (Man!!)
1:14:17 Champagne Supernova
1:26:44 Acquiesce
1:31:05 I Am the Walrus

Quando Noel Gallagher saiu (de vez) do Oasis

No dia 28 de agosto de 2009, Noel Gallagher comunicava aos fãs de todo o mundo que estava deixando o Oasis. Pra nunca mais voltar.

“É com alguma tristeza e um grande alívio que conto a vocês que deixei o Oasis nesta noite. As pessoas podem escrever e falar o que quiserem, mas eu simplesmente não poderia continuar trabalhando ao lado de Liam por mais nenhum dia. Desculpas a todos que compraram ingressos para os shows de Paris, Konstanz e Milão” – Noel Gallagher

Liam Gallagher, Gem Archer, Andy Bell e Chris Sharrock (que atuou como baterista do Oasis entre 2008 e 2009) continuaram juntos e formaram o Beady Eye (que durante um breve período atendeu pelo nome de Oasis 2.0).

Dois álbuns lançados pelo novo velho grupo: Different Gear, Still Speeding (2011) e BE (2013).

O primeiro álbum solo de Noel Gallagher, com a banda High Flying Birds, foi lançado em 2011, se saindo muito melhor nas vendas do que a nova empreitada de seu irmão mais novo.