5 curiosidades sobre “Whatever”, do Oasis

Lançada como single no natal de 1994, “Whatever” nunca constou na discografia oficial do Oasis até a edição australiana do álbum Definitely Maybe, que continha um disco extra com a música (Estados Unidos e França também fizeram o mesmo).

Noel Gallahger escreveu a frase “I’m free to be whatever I, whatever I like if it’s wrong or right it’s all right” se referindo ao pai, que levava Noel para ser seu ajudante nas obras em que trabalhava.

O belíssimo arranjo de cordas foi organizado por Nick Ingham e Noel Gallagher, acompanhados pela Orquestra Filarmônica de Londres, que na época contava com Wilf Gibson, violonista da banda Electric Light Orchestra. Já pensou?

Até hoje, “Whatever” é a canção do Oasis que permaneceu durante mais tempo nas paradas musicais da Grã-Bretanha. Fora 51 semanas, com direito a retorno triunfal por uma semana em 2010, após o lançamento da compilação Time Flies… 1994–2009 (nessa época, já disponível em formato digital).

Não poderia faltar uma historia de plágio. Aqui, Noel Gallagher fez uso da melodia de “How Sweet To Be An Idiot”, canção do também britânico Neil Innes. Rolou processo, claro, e até hoje Innes recebe merecidos royalties pela co-autoria (in)direta de “Whatever”.

Por fim, o vídeo promocional de “Whatever”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s